segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A Guerra Biológica (The Patriot, 1998)




Bastante incomum esse filme na filmografia do Steven Seagal, porque ele mal bate nos capangas do filme. Pra falar a verdade, temos apenas duas cenas de ação envolvendo seu personagem, o que torna a obra menos excitante para quem estiver procurando boas cenas de briga. Contudo, quem é fã do mestre, como eu, será mais complacente com esta bobagem.

Seagal é um cientista cheio de títulos e diplomas, que leva uma vida pacata e simples numa cidadezinha. Óbvio que os personagens de Seagal nunca conseguem a paz, mesmo morando em cidades minúsculas e inóspitas. Assim, a região abriga um fanático político que resolve começar uma guerra biológica, inoculando-se com um vírus e infectando todo mundo ao seu redor. O interessante é que o imbecil pensa ter uma cura para a doença, mas mais tarde ele descobre que a vacina que ele tem não funciona para aquela variedade do vírus.

Quando Seagal não resolve as coisas na força física, ele se torna o mais incrível dos cientistas. Seu personagem irá achar a cura da doença e ainda livrar a cidade do bando de fanáticos políticos (porque esses vilões sempre têm seguidores), coisa que as autoridades nunca conseguem fazer em filmes como esse.

A Guerra Biológica tem muitos furos de roteiro, mas nada que incomode tanto. O fato é que o filme é uma espécie de “Em Terreno Selvagem” (outro filme de Seagal, para os mais perdidos) sem lutas. Temos uma trama com temática biológica, valorização da natureza, respeito aos índios – elementos já apresentados em outros filmes dele como o já citado Em Terreno Selvagem e Ameaça Subterrânea – bastante superiores.

O filme não tem lutas – e ficarei repetindo isso nesse texto, pra que ninguém se diga desavisado quando for encarar a obra. O vilão é muito bobo – um típico caipira nacionalista norte-americano, com discursos republicanos e teorias da conspiração na ponta da língua. O personagem não provoca receios (especialmente pelo intérprete bem ruinzinho), mas entra na história dos filmes do Seagal como um dos vilões com morte mais criativa que o mestre do Aikido já matou. Nunca uma taça de vinho foi tão mortal...

Durante toda a obra Seagal está cavalgando em seu rancho, dentro de um laboratório ou dirigindo sua picape. Nada muito excitante, mesmo. Se você curtir os filmes do cara, essa pode ser uma sessão bastante curiosa. Nada muda o fato, entretanto, que A Guerra Biológica é bem fraquinho e, possivelmente, um dos filmes mais decepcionantes do Steven Seagal.

OBS - Apesar de ser fã do cara, esse é o primeiro filme dele que eu comento aqui no blog. Em breve vou reparar essa falha!

2 comentários:

  1. jà assisti. Bem fraquinho mesmo. Acho que passou no Domingo maior. rsrs

    ResponderExcluir
  2. Os filmes do Seagal são campeões do Domingo Maior. Nada como terminar o domingo com um filminho de ação relaxante, não é mesmo?

    Obrigado pelo comentário Sheyla

    ResponderExcluir