quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Isaac Babel e a criação do King Kong


Isaac Babel e Merian Caldwell Cooper

Recentemente terminei um fabuloso livro chamado Os Possessos. A autora, Elif Batuman, divide, ao longo de pouco mais de trezentas páginas, suas pesquisas e aventuras  diante de sua linha de estudo: a literatura russa. Um dos capítulos discorre sobre Isaac Babel, escritor russo, morto em 1940, autor de A Cavalaria Vermelha e outras obras hoje consagradas, incluindo um diário com as recordações do autor entre os anos de 1919-1920, durante a Guerra Polaco-Soviética, em que atuou como membro da cavalaria cossaco, relatando a crueldade dos revolucionários comunistas.

Uma das melhores leituras do ano
Durante as pesquisas da autora, ela menciona um dos seus trechos favoritos do tal diário: a captura de um piloto americano, chamado Frank Mosher, que foi interrogado pelo próprio Isaac Babel. Segue um trecho do diário:

"Um piloto americano recém-abatido, de pés descalços, mas elegante, o pescoço como uma coluna, dentes impressionantemente brancos, o uniforme coberto de óleo e terra. Ele me pergunta preocupado: Será que talvez cometi um crime ao lutar contra a Rússia soviética?"

O que torna esse excerto muito mais interessante é que o senhor Frank Mosher é o pseudônimo de Merian Caldwell Cooper - futuro criado e produtor do clássico King Kong. No ano de 1919, Cooper se juntou a outros nove pilotos americanos no esquadrão aéreo Kosciuszko, unidade da Força Aérea Polonesa, para combater a União Soviética, com o pseudônimo supracitado. Seu avião foi abatido no dia 13 de julho de 1920 e, tendo sido rodeado por soldados soviéticos, teve sua vida polpada por "um bolchevique inominado que falava inglês". O registro do diário de Babel, citado no parágrafo acima, data do dia 14 de julho de 1920.



No ano de 1923, Merian Cooper se voltou para o cinema, mas foi só em 1931 que ele iniciou os trabalhos com King Kong, hoje um clássico absoluto do cinema. Na famosíssima cena do Empire State Building, Cooper é um dos pilotos que aparecem na cena- reflexo de suas experiencias como aeronauta em tempos de guerra. 

Um dos filmes produzidos por Cooper foi "Zaroff: O Caçador de Vidas", cujo vilão é um general cossaco de cavalaria que caça marinheiros naufragados por esporte, interpretado por Leslie Banks. Ainda no elenco estavam Fay Wray e Robert Armstrong que também estrelariam King Kong. 

Babel, infelizmente, não teve um final de vida feliz. Foi perseguido durante o terror Stalinista e acusado falsamente de espionagem e executado por um pelotão de fuzilamento em Lubianka, no dia 26 de Janeiro de 1940. Já Cooper teve uma longa carreira em Hollywood e ganhou um Oscar Honorário em 1953. Morreria 20 anos depois, 1 dia após a morte do ator Robert Armstrong, com quem trabalhara ao longo da carreira. 

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Parasita (Gisaengchung, 2019)


Precisamos fazer uma interrupção referente aos filmes assistidos durante a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo para comentar sobre o arrebatador vencedor da Palma de Ouro deste ano, que também foi exibido durante o festival mas eu só o conferi recentemente: Parasita, dirigido pelo mestre sul-coreano Bong Joon Ho.

Este é um daqueles filmes que quanto menos se souber de seu enredo, mais prazerosa a experiência será. Acompanhamos uma família pobretona que, por meio de golpes e estratagemas, se infiltra na vida de uma família rica, tal qual parasitas invadindo seus hospedeiros. O parasitismo é uma metáfora fortíssima ilustrada de maneira magistral pelo diretor durante toda a exibição, em cenas intrigantes e lindamente filmadas, como a fuga de alguns personagens durante a chuva, evacuando do lugar invadido ("o hospedeiro") e, tal qual uma descarga, seguindo o fluxo da chuva torrencial até um ralo, representado pelo bairro pobre onde vivem. É uma imagem fortíssima e simplesmente fenomenal.

O sentimento de asco parece cercar o filme inteiro e Bong Joon Ho escolhe o sentido mais difícil de se representar no cinema (o olfato) para escancarar a distância que se forma entre as pessoas, por causa de suas camadas sociais. Esse tipo de crítica poderia cair, tranquilamente, num formato panfletário e vulgar sobre luta de classes, mas Bong Joon Ho foge deste tipo de armadilha com habilidade, ao mostrar que todos os seus personagens, mesmo com algumas diferenças materiais, ainda são humanos e, de uma maneira até cruel, iguais entre si, especialmente em seus vícios e baixezas. 



É semelhante, nesse sentido, com o espetacular e recente Coringa (vai rolar resenha, em breve), que também pincela a problemática social, mas aprofunda a discussão tal qual ela deveria ser sempre aprofundada, analisando as naturezas individuais de seus personagens. Não há espaço, em ambos os filmes, para se definir vilões ou mocinhos, pois todos somos muito mais complexos do que qualquer rótulo. A família de golpista de PARASITA nos desperta raiva, pena e simpatia. A família rica desperta pena, simpatia e raiva. 

Outro ponto de crítica muito interessante é a relação com a tecnologia. As cenas envolvendo celulares, como o início do filme mostrando os filhos do casal pobre tentando captar um sinal de "Wi-fi" ou a briga por um aparelho eletrônico, lá pela metade da obra, possuem um tom cartunesco perfeito para assegurar o quão insignificante essas coisas são frente a natureza do homem. Nada é mais intrigante do que o próprio ser humano e seus mistérios - suas ações e reações.

O elenco inteiro é perfeito, principalmente os quatro elementos da família pobre, mas o grande destaque é Kang-ho Song, interpretando o pai desta família. Em alguns momentos ele soa infantil, inocente, sagaz, escroto, algoz e vítima. Porém, acima de qualquer julgamento, ele ainda é um pai de família cuja preocupação principal é sua família e, mesmo diante de uma ação repugnante ou patética, há humanidade nele. Atuação irretocável e perfeita.

PARASITA é um dos grandes filmes deste ano, sem a menor dúvida, além de uma escolha maravilhosa como vencedor da Palma de Ouro. Um conto de humor negro, drama, suspense e horror, sem gênero definido, comandado por um diretor que já provou ser um dos grandes nomes da atualidade. Se não fosse pelo filme do Coringa, certamente seria o meu favorito do ano (pelo menos até agora).  

Parasite (2019) - Movie Stills











segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Mr Jones (2019)


Eu fiquei muito surpreso ao final da sessão de MR JONES, mais recente filme da diretora polonesa Agniezka Holland. Confesso, aliás, que eu nem sabia que o filme era dela quando decidimos (eu e minha irmã) encarar mais uma sessão da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Com o início dos créditos, me surpreendi com o nome dela encabeçando a obra e fiquei pensando a respeito disso.

O motivo dessa consternação é que eu achei MR JONES um filme convencional demais. Mesmo não levando em conta que sua exibição tenha sido durante um festival de cinema, a impressão que eu tive é de que este era um filme tão discreto e acadêmico que, num passado não tão distante, poderia ter conferido à tarde no Eurochannel (aquele saudoso canal de TV por assinatura que nem sei se existe mais). Desde o elenco montado até suas escolhas narrativas/visuais (como a cena de transição que mostra uma locomotiva em movimento, com edição e trilha sonora frenética), tudo parece protocolar demais, escolhas de alguém inseguro ainda em seu ofício.

Acompanhamos a história real do jornalista galês Gareth Jones (em eficiente interpretação de James Norton) que resolve investigar o alardeado progresso da URSS sob o comando de Stálin e acaba testemunhando a grande fome que assolou, especialmente a Ucrânia, em detrimento das convicções políticas e estratégicas do ditador mais assassino de todos os tempos. É um episódio histórico interessantíssimo e merece ser contado em celuloide.

A presença de Peter Sarsgaard é sempre um acréscimo a qualquer filme, pois o considero um grande ator subestimado. Em MR JONES, ele interpreta o dúbio jornalista Walter Duranty, consagrado com o Pulitzer na época, mas que decidiu ignorar e até encobrir os crimes de Stálin, os quais ele supostamente tinha conhecimento. Apesar de parecer ter sido escrito de uma forma um tanto quanto maniqueísta, Sarsgaard consegue dar alguma densidade a esse personagem complexo (com exceção de uma presepada no final do filme, quase cartunesca, envolvendo ele e a personagem da atriz Vanessa Kirby). 

Minhas observações com este filme é que, no final das contas, parece muito um filme feito para ser exibido em salas de aula. As cenas em que Gareth testemunha a desumanidade geral que nos assola em situações extremas são mais teoricamente do que visualmente impactantes. E a própria maneira como o filme se desenrola é tão protocolar e previsível que a identificação de qualquer estilo cinematográfico fica complicada. Eu adoro telefilmes, mas a impressão de que assisti um telefilme num festival de cinema foi forte demais. 

Naturalmente, o filme ganha pontos a seu favor por lançar luz em mais uma prova da ação diabólica da "experiência comunista" durante o século XX e me parece coerente e muito natural uma diretora polonesa nos guiar a respeito de tal episódio histórico, tal como seu conterrâneo Andrzej Wajda. Contudo, senti que sobrou contexto e faltou narrativa cinematográfica. Ainda assim, vale como um eficiente filme sobre um tenebroso período histórico.

sábado, 23 de novembro de 2019

História do Bosque das Castanhas (Zgodbe iz kostanjevih gozdov, 2018)

Estive por um mês na cidade de São Paulo, me preparando para um concurso ocorrido no dia 15 de novembro. Nesse período, consegui participar pela primeira vez (de muitas outras vindouras) da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em sua 43° edição. Em razão do tal concurso (e "otras cositas más") não assisti aos vários filmes interessantes do seu catálogo e, confesso, que lamento não ter aproveitado tanto quanto eu gostaria. Entretanto, ainda assim, pude conferir seis filmes da seleção e nos próximos dias teremos textos a respeito dos mesmos. Ao final, postaremos uma lista de alguns dos filmes que não assistimos mas estamos morrendo de vontade de assistir.

O começo da nossa jornada é com o filme esloveno História do Bosque das Castanhas, que é a típica obra habitué de festivais de cinema. O filme acompanha um velho carpinteiro e uma vendedora de castanhas com suas memórias (nem sempre fidedignas) relacionadas a região onde vivem, um bosque situado na fronteira entre a Itália e a antiga Iugoslávia. Tal como uma narrativa onírica, o filme não tem uma estrutura linear, mas sim uma estrutura cíclica, fugindo das maneiras mais convencionais de se contar uma história. 

O diretor do filme, o senhor Gregor Bozic, sabe filmar algumas cenas muito bonitas como a cena inicial com uma cova sendo preenchida com folhas secas, uma imagem outonal clássica e aconchegante, assim como a cena em que alguns anjos cantam uma canção folclórica na casa do rabugento marceneiro - uma cena realmente bonita pela qual já valeria o ingresso. Porém, é um filme muito lento e arrastado - seus 80 minutos mais parecem 180! Eu sei que esse tipo de filme requer outra "vibe", uma disposição cinéfila diferenciada para encarar a sessão com boa vontade, mas até com isso em mente, a obra não conseguiu me mostrar ao que veio, nem mesmo como um documento da região onde o cineasta nasceu, justamente pela sua mistura de realidade e sonho.

Quando saí da sessão, lembro-me de ter massacrado o filme ao conversar a seu respeito com minha irmã, melhor companhia de cinema que existe e que me acompanhou por essas sessões da mostra. Agora, com a distância de quase um mês após sua exibição, HISTÓRIA DO BOSQUE DAS CASTANHAS se revela como um exemplar menor desse festival de cinema, mas ainda assim com seu valor artístico.